A construção do amor, por Paul Heritage

‘Our revels now are ended’

Our revels now are ended. These our actors,
As I foretold you, were all spirits and
Are melted into air, into thin air:
And, like the baseless fabric of this vision,
The cloud-capp’d towers, the gorgeous palaces,
The solemn temples, the great globe itself,
Yea, all which it inherit, shall dissolve
And, like this insubstantial pageant faded,
Leave not a rack behind. We are such stuff
As dreams are made on, and our little life
Is rounded with a sleep.

William Shakespeare
From The Tempest, Act 4 Scene 1

Nossos festejos terminaram. Como vos preveni, eram espíritos todos esses atores; dissiparam-se no ar, sim, no ar impalpável. E tal como o grosseiro substrato desta vista, as torres que se elevam para as nuvens, os palácios altivos, as igrejas majestosas, o próprio globo imenso, com tudo o que contém, hão de sumir-se, como se deu com essa visão tênue, sem deixarem vestígio. Somos feitos da matéria dos sonhos; nossa vida pequenina é cercada pelo sono.

Paul Heritage é professor de Artes Cênicas e Performance no Queen Mary, University of London, Fellow of the Royal Society of the Arts e diretor do People’s Palace Projects. Em 2004, foi honrado com o Cavaleiro da Ordem do Rio Branco pelo governo brasileiro no reconhecimento dos seus serviços para as relações culturais anglo-brasileiras. Ele criou o Centro de Teatro nas Prisões [TiPP Centre] na Inglaterra em 1992 e, durante 15 anos, dirigiu projetos teatrais com milhares de presos e funcionários em centenas de prisões em 12 estados do Brasil. Como produtor, ele trouxe uma série de companhias brasileiras para as principais instituições culturais do Reino Unido, incluindo Grupo Galpão [Shakespeare’s Globe Theatre], Grupo Piollin [Barbican], AfroReggae [Barbican / Southbank Centre] e Nós do Morro [Royal Shakespeare Company]. Dirigiu Shakespeare em alguns dos teatros mais ilustres do Rio de Janeiro, bem como nas fronteiras de conflito das comunidades de Vigário Geral, Parada de Lucas, Rocinha, etc. Autor de várias publicações sobre o teatro e cultura contemporânea. Em Brasília, na prisão de segurança máxima, possui um teatro com seu nome.

 

Fonte da imagem: Site Verão da Cultura, da Secretaria de Culta do Estado do Rio de Janeiro
em http://www.cultura.rj.gov.br/veraodacultura/participante/paul-heritage/

2 comentários sobre “A construção do amor, por Paul Heritage”

Deixe uma resposta