Feira Cultural “Do Cortiço à Favela” leva a produção da periferia para a Lapa

Texto escrito por Rejane Neves, Quebradeira da 7ª edição da Universidade das Quebradas (2016)

O coletivo feminino Nós, As Mulheres promove em 16 de agosto a Feira Cultural Do Cortiço à Favela. O evento terá participação de diferentes artistas envolvidos diretamente com as questões raciais, discriminatórias e emblemáticas da sociedade. As atividades acontecem a partir das 16h, na Febarj.

A inspiração para a criação da feira surgiu na Universidade das Quebradas, programa de extensão oferecido pela UFRJ para produtores, atividades e artistas das periferias do Rio de Janeiro. Na turma de 2016 do curso, os alunos deveriam criar uma apresentação artística baseada na obra “O Cortiço” (1890), de Aluísio Azevedo, expressão máxima do Naturalismo Brasileiro.

O foco principal da Feira Cultural Do Cortiço à Favela é o diálogo pluricultural do cortiço antigo à favela atual, espaço historicamente desvalorizado e marginalizado pela sociedade. Exposições de moda, pintura, oficinas de trança nagô, terapia holística, sarau de poesia e espaço gourmet estão na programação. A mostra conta ainda com o samba de raiz de Nanato do Pandeiro, o swing do DJ Grindo e a banda Prole Preta.

Serviço:

Feira Cultural Do Cortiço à Favela

Data: 16 de agosto, a partir das 16h

Endereço: Febarj (Av. Mem de Sá, 37 – em frente ao Arcos da Lapa)

Entrada franca.

(Crédito: Reprodução Internet)
(Crédito: Reprodução Internet)

Deixe uma resposta