Os Rios que deságuam no MAR

Próximo encontro?

Dia 11 de fevereiro, às 10 horas, no MAR.

Partimos. De vários recantos fomos chegando. A passarela cortou o dia, os corações e nossos caminhos. Silêncio.

De novo, partimos. Os cartógrafos insistiram e conseguiram chegar: Beá atravessou paredes e o tempo, Egeu veio jardinando a Rio Branco, Fábio trançou-se  no calor e nos gritos  da linha amarela, Renata piscou e entrou na foto , Rute encharcou as palavras e acordou a alma, Denise Kosta desfez nós e abriu caminhos, Karen levou sustos e sentiu a dor de quem deveras sente, Angela fez tobogã nas batidas do coração, Denise Lima, na vida e na morte, um novo olhar,  Noélia tramou caminhos  que terminam num encontro e Priscila, no último minuto, chutou e fêz gol.

Abraços e compromissos.

Imaginamos e antecipamos uma cidade de múltiplas cores, sabores e modos de encontros. Vivenciar, pesquisar e materializar ideias que nos sensibilizem para os RIOS que deságuam no MAR. Fragmentos de cada canto, caudalosamente arrastados em nós, buscam o mar.

Com a palavra os cartógrafos e suas antropofagias poéticas! Digam aí.

2 comentários sobre “Os Rios que deságuam no MAR”

  1. Terra a vista!!! Mal entramos no mar e logo vejo um porto…Ainda não sei se o porto é seguro,mas juro,seguirei esse rumo,me manterei no prumo firme no propósito de descobrir novas histórias,encontrar caminhos e traz elos pro mar.Mar…mar de gente,mar do prosa mar que põe tudo em movimento,de manhã o mundo das cartografias, a tarde o Marechal e a batalha do conhecimento…Aproveito então esses momentos,pra misturar os meus sentimentos,mudar todos os procedimentos e falar do meu lugar,Vou levar a baixada pro mar,só pra contrariar…Ai os caras vão pirar,Baixada é muito mais que bang bang,é mais cultura e menos sangue,é quase Recife só faltou o mangue…Aqui tem musica,tem poesia,tem teatro,tem vida!Mas também tem fome,esquecimento e desgoverno,pra mim, esse é o grande erro,não mudar esse modelo.Somos quase condenados ter sub emprego,ser sub julgado, a viver amuado, a sofrer calado…É isso que quero mudar ao levar a Baixada pro mar,provar que todo lugar é lugar,que todos podem estudar,mostrar que pra colher,tem que plantar.Quero muito que de alguma forma esse turbilhão de talentos, que é a turma das Quebradas 2013, deixe o seu legado.Vamos abraçar nossos projetos para colocarmos em prática e mostrar que podemos fazer a diferença.Vambóra!!!

Deixe uma resposta