Pós-aula: Linguagem e Expressão

Mais um encontro com a professora Sandra Portugal na Universidade das Quebradas que proporcionou reflexões acerca da diversidade da Língua Portuguesa. Sandra inicialmente se reportou aos termos empregados por seus familiares de Pernambuco, seu estado de origem, que constitui um código específico de comunicação de uma região.

A professora citou algumas gírias antigas relacionando e contextualizando-as com determinados momentos históricos, por exemplo: “Fulano está bombardeado.” O termo “bombardeado” refere-se ao período da Guerra. Diferentes termos podem assumir semelhantes significações.

Na sequência, foi apresentada a Teleaula de Língua Portuguesa nº11, cuja introdução enfatiza a possibilidade da mesma língua servir como meio de comunicação e também ser um impedimento para a comunicação.

Considerando o Português falado no Brasil e nos diferentes países, salienta as variações linguísticas. O vídeo trata ainda, da contribuição e da influência indígena na nossa comunicação; como outros povos falantes da Língua Portuguesa buscam novos termos e também aborda a inovação de significados de expressões. O conteúdo do vídeo é ilustrado por; imagens do Museu da Língua Portuguesa, o filme Língua, vidas em português, o filme Triste fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto.

Desse modo, vale ressaltar a revisão do conceito de “certo ou errado” na língua falada e escrita, considerando suas especificidades de comunicação, que exigem adequação para atingir o público-alvo em seus objetivos e finalidades. Um bom exemplo a se considerar é a produção do MC Marechal que corrobora tal conclusão.

Por: Wanda Lúcia Batista (Bolsista PIBEX –Faculdade de Medicina T.O.-UFRJ)

3 comentários sobre “Pós-aula: Linguagem e Expressão”

  1. Sandra Portugal é divina, consegue ensinar a língua portuguesa de maneira leve, dinâmica, diferente.
    É uma figura carismática, ética.
    Eu adoro suas aulas.

  2. Sandra Portugal é maravilhosa, no que faz, gosto muito das aulas de linguagem e expressão. e essas aulas estão contribuindo muito na faculdade de administração.que estou cursando. Obrigado Sandra.

  3. A voz do indivíduo é como o crocitar da águia: solitário, potente, voraz. As andorinhas não: elas ficam piando em bandos, sempre se preocupando com o que a outra vai dizer. Todas transformando o mundo num grande verão! O blog Arcanjo Suburbano não tem nenhum apreço pela gíria das quebradas, porque essa gíria está sendo usada pelo projeto cultural dos intelectuais burgueses para manipular os jovens das comunidades periféricas. Quando a classe média resolve falar gíria, é porque está querendo convencer os pobres a fazer o que ela quer.

Deixe uma resposta