Pré aula 9: Ilíada e Odisseia: o início da literatura? – Profª Simone Bondarczuk

Questões a abordar:

  1. Oralidade e escrita (letramento)
  2. Literatura como Póetica
  3. Práticas da mousiké grega
  4. O poeta itinerante
  5. Grandes temas épicos universais: a existência trágica do herói; a existência como uma grande viagem de retorno.
  6. Como resgatar essa herança poética da oralidade no meio acadêmico?

As primeiras obras ditas literárias do Ocidente – a Ilíada e a Odisseia – revelam o forte caráter de oralidade da literatura grega desde suas origens, inteiramente conjugado às praticas musicais, ou melhor, as práticas da mousiké . Rememorar, comemorar, dançar e cantar, ao ritmo do instrumento e do verso, estão na gênese de toda a literatura. Embora o poeta itinerante grego tenha desaparecido ao longo da história da Grécia e tenha sobrevivido apenas no pobre registro da cultura escrita da tradição, podemos indagar, a partir dele, por essa presença viva – a do poeta – e seu lugar em nossa cultura nos dias de hoje. O vigor e a força dos temas épicos estão presentes em nosso cotidiano a interpelar-nos todo tempo: as escolhas trágicas, a quebra de valores, a morte como destinar do homem, a odisseia da vida: jornada constante para fugir do esquecimento/morte; o canto da sereias, sedutor e fatal; os monstro que povoam a existência; o medo de ter sido esquecido pelos que ama; enfim, temas sempre rememoráveis  e memoráveis.  Nossa pré-aula procurará problematizar essas questões e transportá-las do âmbito acadêmico para o âmbito das questões contemporâneas.

Referências bibliográficas:

KAFAVIS, Konstantino P. Poemas. Tradução Haroldo de Campos. São Paulo: ed. Cosac Naify, 2012.

MANGUEL, Alberto. Ilíada e Odisseia de Homero. São Paulo: ed. Jorge Zahar, 2010.

MORAES, Alexandre Santos de. O Ofício de Homero. Rio de Janeiro: ed. Mauad, 2012.

VERNANT, Pierre. O Mundo de Homero. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

 

Documentários:

  • “The Truth of Troy”, BBC – Horizon, 2004, no YouTube.
  • O Poder do mito”, entrevista com Joseph Campbell no YouTube (escritor do livro “ O herói de Mil Faces.

Troianos

Konstantino Kafavis

São nossos esforços os dos infortunados;
são nossos esforços como os dos troianos.
Conseguimos um pouco; um pouco
levantamos a cabeça; e começamos
a ter coragens e boas esperanças.
Mas sempre surge alguma coisa que nos pára.
Aquiles junto ao fosso à nossa frente
surge e com grandes gritos assusta-nos.
São nossos esforços como os dos troianos.
Cuidamos que mudaremos com resolução
e valor a contrariedade da sorte,
e estamos cá fora para lutar.
Mas, quando vier o momento decisivo,
o nosso valor e a nossa resolução perdem-se;
a nossa alma fica alterada, paralisa;
e em redor das muralhas corremos
à procura de nos salvarmos pela fuga.
Porém a nossa queda é certa. Em cima,
nas muralhas já começou o pranto.
Choram pelas memórias e os sentimentos dos nossos dias.
Amargamente choram por nós Príamo e Hécuba.

[Tradução: Joaquim Manuel Magalhães e Nikos Prastinis]

 

1 comentário sobre “Pré aula 9: Ilíada e Odisseia: o início da literatura? – Profª Simone Bondarczuk”

  1. Por onde andam as mulheres de Atenas?
    Dois sistemas se defrontam…
    Há os que querem abater a alma
    E os que desejam subjulgar o corpo
    Duas violências, quase tão insensata uma quanto a outra.
    Ao lado, fervilha a multidão dos indiferentes
    Onde, ora pois, esta a sabedoria?
    A ciência de bem viver?
    Em parte alguma
    Amai portanto pela alma, mas tambem cuidado com o corpo:
    Instrumento da alma
    Desconhecer as forças da natureza
    É não reconhecer a força dos deuses
    E não acredito em deuses que não saibam dançar!!!

Deixe uma resposta