Quebradas participa da II Semana da Baixada

A Universidade das Quebradas participou da II Semana da Baixada, promovida pelo petconexoesbaixada, que aconteceu na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ, Campus Nova Iguaçu.

O convite partiu da quebradeira Claudina Oliveira, que propôs uma mesa com o tema Universidade das Quebradas: ecologia dos saberes, periferia e Baixada.

Participaram do debate Claudina de Oliveira, Marilene Gonçalves, José Otávio Pompeu e Silva e Beá Meira, que foram recebidos calorosamente pelo Professor Dr. Otair Fernandes de Oliveira.

A primeira a falar foi Claudina, que contou as dificuldades enfrentadas para ingressar na universidade, e como foi importante para ela frequentar o curso de extensão Universidade das Quebradas. Ela falou também de sua atuação no teatro e na vida cultural da Baixada Fluminense.

Depois o professor José Otávio falou sobre a importância de abrir a universidade para os saberes populares e da necessidade de se ouvir novas vozes dentro da comunidade acadêmica.

Beá Meira explicou a metodologia da Universidade das Quebradas e contou que muitas pessoas com superior completo, pós-graduação e mestrado se inscreveram este ano na UQ. Isto prova que estas pessoas querem interagir, ouvir e trocar saberes com os artistas e produtores culturais da periferia do Rio de Janeiro.

Depois foi a vez de Marilene Gonçalves falar sobre terapia capilar. Marilene encantou a todos com sua oralidade sofisticada, apresentando o cabelo como um tema que envolve afetividade, identidade, saúde física e emocional. Marilene respondeu com muita propriedade a todas as curiosidades da plateia, falando sobre produtos, tratamentos e problemas de saúde e beleza. Finalizou a apresentação com o delicioso ritual do alecrim.

O Professor Otair Fernandes de Oliveira encerrou a mesa apontando para semelhanças entre os projetos, e chamando a atenção para a necessidade de reforçar esta rede de projetos de extensão nas universidades públicas.

 

Beá Meira é uma das coordenadoras pedagógicas da UQ.

 

 

 

 

16 comentários sobre “Quebradas participa da II Semana da Baixada”

  1. Quanto mais troco, mais me fortaleço e aprendo.
    Bom demais ser quebrada, pois com as partes trocadas me junto, me desarrumo, me encontro e me completo.
    Amo demais tudo isto! Ser, estar e contribuir como uma quebradeira é a forma mais natural para entender a cultural do mundo.

  2. “É preciso diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz,até que num dado momento,a tua fala seja a tua prática.”
    Parabéns por mais essa iniciativa !
    Desejo que suas ações contagiem corações.
    Grande abraço.

  3. No primeiro instante foi forjado os elementos, isolados, formaram parcerias, consolidaram os projetos individuais e agora dilatam a esfera, alcançando os limites da sociedade. Fazendo rolar um evento, unindo as pontas.. Unindo a sociedade acadêmica, aos produtores de saber popular da periferia. União fecunda de elementos essenciais. Uma nova sociedade surgira daí. já se ouve o primeiro choro do rebento.

  4. É muito rico e ao mesmo tempo sofrido quando deparamos com esse grupo idealizadores trazendo uma proposta com seguimentos culturais, com elevada proporções de conhecimentos e, se tratando da Baixada, da nossa Baixada, que papai do céu retribua e meras energias para que essa jornada chegue ou se aproxime no benefício desejado por todos! beijos no coração de vocês.

  5. Estes quebradores são porretas mesmo…Deram um show de comprometimento com a causa, um show de organização, amabilidade e muito prestativos…E, principalmente, muita paciência com nós, singelos artistas das quebradas…Parabéns , mais uma vez pelo magnífico evento, e , esperamos participar de muitos outros…é só dar o sinal de fumaça…BORA????? Beijo no coração de cada um de vcs….Fiquem com Deus !!!!!

  6. Eu ainda estou “digerindo” tudo que absorvi nessa movimentada semana, com as valiosas conexões estabelecidas ali no território do Instituto multidisciplinar – IM UFRRJ – Campus Nova Iguaçu.

    Ao total foram 16 pessoas na organização (PET Conexões Baixada) e aproximadamente 200 colaboradores, incluindo palestrantes, produtores, artistas plásticos, músicos, escritores, artesãos, entre outros.

    A mesa com a participação da Universidade das Quebradas foi então mais uma emocionante experiência de falar da construção do meu conhecimento, que visa a colaboração mútua, buscando a promoção da arte e da cultura como ferramenta de superação humana.

    Por tudo isso sou grata ao PET Conexões de Saberes – Dialogando e interagindo com Múltiplas Realidades e Saberes na Baixada Fluminense, pela oportunidade de compartilhar comigo e a Universidade das Quebradas tão significativas inter locuções.

  7. Muito bom!!! Penso que, no futuro bem próximo, a Universidade das Quebradas estará com um Polo bem pertinho aqui na Baixada Fluminense…

  8. Parabéns por essa iniciativa…intercâmbios…gostaria muito de ter participado! Troca de saberes se expandindo, fortalecendo redes.

Deixe uma resposta