Desculpem os transtornos. Estamos mudando o país – por Adriana Baptista

Frase no cartaz de um manifestante (em algum lugar do Brasil) define bem esse movimento nacional que reivindica muito mais que 20 centavos!

Eu vi…. estavam todos lá!

Estudantes, carpinteiros e carpinteiras, engenheiros e engenheiras, advogados e advogadas… aprendizes, domésticas, eletricistas… enfermeiros e enfermeiras… eu vi! Estavam todos lá… neguinho e neguinha… branquinho e branquinha… eu vi sim! Estavam todos lá… o jornaleiro, a jornalista, a quituteira, o padeiro, moça bonita, moço bonito… eu vi! Estavam todos lá… fé, força, atitude, coragem, raiva, fome, indignação, risos, lágrimas… eu vi sim! Minha mãe, meu pai… a mãe da minha mãe, seus avós, os avós da minha vó… estavam todos e todas presentes!

As manifestações nas principais capitais do Brasil, iniciadas pelo MOVIMENTO PASSE LIVRE e organizadas pelas redes sociais, por conta do aumento das passagens, ganhou adeptos da população, que resolveram reagir contra o péssimo sistema de transportes, contra a corrupção, inflação, obras superfaturadas e mal-acabadas, contra a má qualidade dos serviços de saúde e educação, contra os baixos salários, contra Feliciano, contra a intolerância religiosa, a homofobia, o racismo, o sexismo, a violência… e sempre a favor da liberdade. Uma verdadeira catarse!

A todo instante são registradas nas redes sociais, imprensa (sobretudo a internacional), imagens emblemáticas desse protesto que só lembro de ter visto algo parecido na “Passeata dos 100 mil”, no Rio de Janeiro, em 1968, e também em 1983, no “Movimento Diretas Já”, quando o povo tomou posse do Congresso Nacional, a exemplo do que foi feito também pelos estudantes em Brasília, ontem, 17 de junho.

Os protestos já começam a ter resultados concretos. A Presidenta Dilma Rousseff, atenta às pressões sociais, bem disse: “precisamos ouvir essas vozes”. Em Goiânia e Porto Alegre, o preço das passagens já baixaram. Sendo necessária uma intervenção jurídica do Ministério Público. Fico preocupada com o fato de termos em pauta essa profusão de reivindicações, todas legítimas, é verdade… mas que tendem a ser preteridas se não forem “trabalhadas” uma a uma.

Está dado o papo! Confesso que desconfio muito do que pode estar por trás “de tudo isso”… confesso que gosto muito do que vejo pela frente: o povo na rua… ocupando seus verdadeiros espaços. Saindo um pouco das redes e lembrando que a vida é real! Em números, somos cerca de 194 milhões de brasileiros e brasileiras (segundo o IBGE, 2012); só no Facebook são cerca de 65 milhões; segundo especialistas, no Rio, foram 100 mil pessoas pra rua; em São Paulo, 65mil … ainda não fechei essa conta com o restante do país. Nem preciso ser muito boa em matemática pra reverter esses números em votos! Daí a gente muda mesmo o Brasil e ocupa de vez a Alerj e o Congresso Nacional! Que tal?

Eu vi… estavam todos lá!

Para conhecer melhor o trabalho de Adriana Baptista visite o blog Movimento e Mídia http://movimentoemidia.wordpress.com/

1 comentário sobre “Desculpem os transtornos. Estamos mudando o país – por Adriana Baptista”

Deixe uma resposta